Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

22 e agora?

Aos 22 anos apercebi-me que a minha vida (re)começa agora. É hora de novas aventuras.

Rotina, ou a falta dela

Desde que finalizei o primeiro ano de mestrado que comecei a minha vida de adulta a sério no mundo do trabalho. Trabalhei numa loja durante o verão e, como é óbvio, tinha um horário louco que mudava todos os dias, todas as semanas. Por causa disso, desde ai que sempre foi difícil criar e manter uma rotina na minha vida porque os dias da semana eram muitas vezes sinónimo de fim de semana e este era muitas vezes de trabalho. Depois quando me mudei para Lisboa para fazer o estágio já tinha mais ao menos uma rotina: tinha um horário - minimamente - fixo e os fins de semana para descanso. Isso ajudou-me muito. Mas depois tive de abdicar novamente de tudo porque voltei para uma loja e o meu corpo voltou a ser uma loucura. Sem horários fixos para comer - e muitas vezes uma refeição a ser almoço e jantar ao mesmo tempo, a falta de rotinas de sono, etc... Isto tudo para dizer que ainda não consegui adaptar-me à rotina que o novo trabalho me exige. Trabalhar num escritório implica estar presente no local das 9h às 18h e isso é coisa que há muito tempo não acontecia. Mesmo quase um mês depois de ter começado ainda me custa imenso acordar cedo, depois de almoço ainda me dá sempre uma moleza extrema e quando chego a casa só quero mesmo a minha cama para dormir. Tudo isso custou-me dias de ginásio, mil e quinhentas publicações no blogue e uma tese em stand-by. 

Estou a tentar aos poucos criar uma rotina com a qual me sinta confortável e para isso tenho tentado acordar todos os dias um bocadinho mais cedo, ir ao ginásio quando saio do trabalho, forçar-me a pelo menos duas vezes durante a semana escrever um pouco da tese e o próximo objetivo é voltar ao blogue. Escrever aqui dá-me muito prazer e alivia-me imenso o stress do dia-a-dia, por isso, não é de estranhar que tenha sentido tanta falta deste cantinho. O problema é que sempre que penso "Ok vou sentar-me a escrever" na minha cabeça surgem um milhão de coisas que ainda estão pendentes. 

Agora expliquem-me pessoas adultas que andam nisto há mais anos que eu: onde arranjam estaleca para fazer tanta coisa?!