Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

22 e agora?

Aos 22 anos apercebi-me que a minha vida (re)começa agora. É hora de novas aventuras.

52 semanas | É uma saudade que não sei lidar

A saudade é uma coisa que pode corroer muito um ser humano. Sinto saudades de muita coisa, por vezes até coisas parvas, mas nada se compara à saudade das minhas avós. Já disse aqui no blogue que 2016 me roubou uma avó que já não estava bem há muitos anos, mas 2017 levou-me uma avó que eu contava ter comigo por muitos e muitos anos ainda. Foi uma das perdas mais duras que já vivi e nunca senti uma dor tão grande. O vazio que a minha avó deixou é incalculável e é um assunto que tento nunca abordar com ninguém. Perder a minha avó foi como perder o meu norte. Foi perder um apoio incondicional e uma das almas mais genuinas que tive o prazer de conhecer. 

Perder a minha avó doeu, dói e sei que nunca vai parar de doer e eu sinto saudades todos os dias mesmo nunca o dizendo. 

 

 

Follow Back | Provavelmente a pessoa que acompanho há mais anos

Hoje quero falar-vos da Carolina. Ela é dona do [Entre Parêntesis] e o blogue dela existe aqui no Sapo desde 2011 e eu atrevo-me a dizer que a sigo desde ai. Ela tem a mesma idade que eu e passamos pelas mesmas fases juntas: acompanhei o seu secundário, os seus duros anos universitários e festejei - ainda que sem a conhecer - o seu primeiro trabalho. Ela foi a minha única leitura diária durante muitos e muitos anos e tremi no dia em que ela disse que estava a ponderar acabar com o seu espaço porque a Carolina já fazia parte da minha rotina mesmo sem saber. 

Para mim ela é dona de uma escrita incrível e de uma cultura como poucos hoje em dia possuem. A Carolina não tem igual. Nunca encontrei nada assim aqui neste mundo e acho que se um dia ela decidir ir embora vai ser uma perda gigante para a blogoesfera. Acho que toda a gente precisa de conhecer a Carolina, juro.

 

20986081_DMQJg.jpeg

Imagem retirada do blogue da Carolina

A infância de hoje em dia

No outro dia fui jantar fora com um amigo e na mesa ao nosso lado estava um casal com um filho e os amigos e eu reparei em algo muito estranho ou pelo menos para mim. Durante todo o jantar - que durou umas 2h à vontade - a criança esteve constantemente sentada a ver vídeos no youtube como se não houvesse mais nada à sua volta. Aquilo intrigou-me um pouco, especialmente quando começei a "espreitar" os vídeos que ele estava a ver. Eram vídeos sem nexo, sem conteúdo, nada era só mesmo para o manter calado digamos. E eu fiquei a pensar naquilo. 

Já que queriam manter a criança "calada e entretida" ao menos não poderiam tentar algo mais educativo? Ou pelo menos algo mais interessante? É que nem eram conteúdos do canal Panda ou vídeos feitos para crianças, eram só mesmo aquele conteúdo lixo que existe na internet. E o pior é que os pais nem sequer estavam a prestar atenção ao que o filho estava a ver, basicamente era o miúdo, o telemóvel e o Youtube a dar em loop sozinhos.

Sou só eu que acho isto estranhamente ridículo?

 

kids-cell-phones.jpg

Imagem retirada do Google

52 semanas | Esta resposta é óbvia!

O desafio desta semana pergunta-nos quem escolheríamos ser caso pudessemos viver a vida de um personagem de um filme/série e, claro, a minha resposta é óbvia. Toda a gente sabe que estudei jornalismo e toda a gente também sabe que sou apaixonada por moda, logo só poderia querer ser a Miranda Priestly em «O Diabo Veste Prada». Na verdade gostava mais do que por um dia, gostava mesmo que aquela fosse a minha vida. Acho que não preciso de grandes justificações porque qualquer jornalista de moda ambiciona chegar ao cargo mais alto possível e se isso for numa das revistas mais conceituadas da área melhor ainda. 

 

Devil-Wears-Prada-e1466785056936.jpg

Imagem retirada do Google 

Follow Back | A pessoa que tens de seguir no Instagram

No Follow Back de hoje venho falar-vos de alguém que, para mim, tem um dos melhores instagrams do momento: Viih Rocha! Ela é uma youtuber e instagramer brasileira e é dona das melhores fotos do Instagram e do Pinterest. Para além disso é um ser humano incrível que transmite uma paz e tranquilidade gigante em todos os stories que faz. Sou apaixonada por ela completamente e acho que o melhor é mesmo verem a página dela. 

 

72239CBF-7CF9-4D4B-9BF4-BB43FA49DCB4.jpeg

 Foto retirada do Instagram da Viih

Porque todas as peças merecem uma segunda vida

Quem é que não tem roupas em casa que já não usa?  Ou porque já não serve ou porque já não faz o nosso estilo... A verdade é que sempre que faço a chamada "limpeza de primavera" deparo-me sempre com peças que podiam perfeitamente ainda fazer alguém feliz!

Quando faço estas limpezas separo sempre duas pilhas: uma de roupa para doar e outra de roupa que quero vender. O problema é que vender roupas em segunda mão acaba por ser difícil se não escolhermos aa plataforma certa para o fazer e foi numa das minhas pesquisas que descobri a Micolet. Através do site deles percebi que vender as peças pode ser fácil e rápido. O primeiro passo é selecionarem as peças,  depois cadastram-se no site e leiam os termos em condições, depois é só enviarem as peças para a Micolet e esperar pela avaliação deles! Muito simples certo? O site já está recheado de peças de mulher das mais variadas marcas, desde a nossa querida fast fashion Zara a marcas mais dispendiosas como a Bimba e Lola.

 

Sem Título.jpg

Imagem da loja online

 

Sinceramente adoro serviços como este em que não temos de nos preocupar com nada! E vocês são adeptas destes meios? O que costumam fazer com as vossas roupas?